September 18, 2006

O meu Domingo

Posted in eventos & Cia, featured on Flickr!, mobilidade at 10:04 pm by Ana

No Domingo fui com o Bruno passear para a Marginal, de bicicleta. Mas fizemos a cena “à séria”, fomos até lá também de bicicleta (em vez de as levar de carro, estacionar num sítio ao pé e depois sacar das jingas). 😉 A Sofia estava meio adoentada e acabou por não ir connosco.

Foi agradável, soube muito bem sentir o cheiro a mar a ouvir o som das ondas a rebentar na areia e nas rochas. Num dia normal isso seria “soterrado” pelo ruído e pela poluição dos automóveis. Foi bom ver as pessoas a usufruir da Marginal, umas a caminhar, outras (muitas!) de patins, alguns empurravam carrinhos com bebés, outros levavam putos atrás, na bicicleta, outros em atrelados, viam-se putos em jingas com rodinhas, outros já mais autónomos, uns em trotinetes, vimos duas bicicletas tandem, um triciclo, e um puto num carro a pedais tipo os GoKarts do Parque das Nações. Vimos duas pessoas em bicicletas com motor eléctrico, um senhor mais velho e uma rapariga nova, esta tinha uma ilegal, que anda sem darmos aos pedais – cá têm que ser pedalec. Vimos imensas pessoas em bicicletas da Lisboa Bike Tour, o que prova que muita gente foi a esta para arranjar uma bicicleta barata. Vi um homem numa cadeira de rodas a ser empurrado por um amigo. Devia ser Marginal Sem Carros uma vez por mês. 😉

Marginal Sem Carros!Marginal Sem Carros!

Marginal Sem Carros!Marginal Sem Carros!Marginal Sem Carros!

Fomos espreitar o Porto de Recreio de Oeiras, porque na última vez ainda estavam os estabelecimentos comerciais por abrir. Agora está cheio de esplanadas. No Domingo estavam lá muitas bicicletas estacionadas enquanto o pessoal tomava qualquer coisa na esplanada, mas não sei como é nos outros dias. Não há nenhuma estrutura de estacionamento para as bicicletas, a malta limita-se a encostá-las aqui e ali. 🙂

Bicicletas nas esplanadas do Porto de Recreio de OeirasBicicletas nas esplanadas do Porto de Recreio de Oeiras

A seguir passámos na Telepizza de Santo Amaro e comprámos umas pizzas. 🙂 Seguimos para o Jardim da Quinta dos Sete Castelos alguns metros mais à frente. Tirei umas fotos aos muitos postes plantados no meio do passeio. Vergonhoso…

Fileira de obstáculos no passeio!

[No dia 14 fui ao dentista à Amadora; a rua Elias Garcia, que passa em frente ao C.C. Babilónia é muito movimentada, não é pedonal mas os passeios andam cheios. Para atravessar tive que carregar num botão para o semáforo ficar verde. Aí tive um embate de uma realidade que no estrangeiro me tinha já desabituado. Tive que esperar uns 60 segundos até aquilo ficar verde! Lembrei-me da Suiça, montes de passadeiras ao longo da rua, e o sinal dos peões caia quase imediatamente para verde quando carregávamos no botão. Mostra a diferente atitude para com as pessoas num país e noutro…]

Bom, lá fizémos o nosso piquenique no jardim e depois ficámos por ali, sentados numas cadeiras reclinadas, à sombra a ler as revistas Única (jornal Expresso) e Tabu (jornal Sol).

À sombra no jardim, a ler

Mais tarde passámos para o relvado. Nesse dia havia lá muito mais gente do que nas vezes anteriores. É um sítio mesmo agradável. 🙂

Tarde de leitura no jardim

A propósito do Sol, gostei do jornal. Principalmente da secção “Mundo Real” no caderno principal. Na Única gostei de ler o artigo sobre a Cientologia. De partir a rir. Ou de chorar, conforme a perspectiva. Será que não há gente sã neste mundo? Aquele pessoal de Hollywood também tem umas pancadas valentes… Nunca pensei que o Tom Cruise (que sempre admirei) fosse assim tão completamente louco. Só lendo a história… A Madonna (que “segue” a Cabala) aconselhou o governo Britânico a usar um fluido místico da religião dela na limpeza de um resíduo radioactivo, porque acredita que pode ter efeitos curativos mágicos (!). Give me a break!!!

É só totós! Tudo a acreditar em fadas, deuses, mágicos e super-poderes!! Está tudo louco, mesmo. Antes pensava que uma guerra nuclear (a 3ª guerra mundial, previa-se) seria terrível, mas cada vez mais acho que antes virá uma guerra religiosa global muito pior, todos contra todos, a aniquilarem-se mutuamente porque não acreditam nas mesmas personagens e histórias mitológicas e não toleram a divergência nas crenças, afinal há milhentas religiões no mundo, tantas quanto os malucos que decidem ser “Deus na Terra”.

Não consigo pensar numa característica geográfica, étnica, linguística, física ou de pensamento intelectual (gostos pessoais e ideias políticas) que me leve a sentir uma cisão tão profunda entre mim e terceiros quanto a crença religiosa. É como sentir-me uma alien num planeta desconhecido.

O Expresso vai começar a oferecer (por +6€) uma edição limitada e exclusiva da Bíblia, comentada por um padre. Talvez isto seja um sinal para eu optar pelo Sol…

Uma cena fixe que vi na Única foi o Sleeptracker. Pena ser tão caro… 😦

Na Tabu veio um artigo sobre uma família grande, a matriarca teve 10 filhos e as filhas também tiveram proles extensas. E ficaram em casa. Percebo a paixão de querer ter filhos, muitos. Só não percebo como pode ser visto como normal uma mulher dizer que “estudava sem interesse nenhum porque já sabia que não ia trabalhar”. Ou quando alguém lhe pergunta o que quer ser quando for grande, responder “mãe!”. Se fosse um homem a dizer isto, já soava um bocado esquisito, não? E se um homem só quiser ser “pai”? Fixe n’é? Não é preciso estudar nem trabalhar, é só ter filhos e cuidar deles, em casa. E também não é preciso estudar para ter e criar filhos… Don’t get me wrong, não tenho nada contra stay-at-home-moms. Só me arrepiam aquelas que se definem apenas com a maternidade, e nunca são nada além de mães e domésticas. Claro que depois tornam-se católicas e vêm defender “os valores da família”. Têm que defender a imposição de um modelo social muito mais restrito e severo para que os maridos não as abandonem quando os filhos já estiverem criados.

Estou a planear passar a andar de transportes públicos novamente. Mas com a bicicleta como elemento essencial de inter- e multi-modalidade. Ainda estou à espera dela, quero comprar uma dobrável. Entretanto, queria ir na minha bicicleta (a Btwin’7) para a FCT-UNL, nas próximas 4 semanas. Hoje estive a ver os preços e condições de transporte de bicicletas no comboio e barco. Fiquei muito frustrada. No comboio, mesmo que pague, não a posso levar das 7h às 10h… No barco só há limitação do nº de bicicletas a bordo (6), mas os preços são sempre desencorajadores. Alguém me explica porque é que (na carreira Belém-Trafaria) um animal de companhia paga o mesmo que uma pessoa (0.75 €) e menos que uma bicicleta? Posso levar as minhas malas de viagem ou a tábua de passar a ferro que comprei no supermercado, sem pagar mais por isso, mas a bicicleta, especificamente, paga 1.60 € por viagem! Além de discriminação de bagagem, eles ignora m totalmente o facto de uma bicicleta ser um meio de transporte complementar do deles, que se encontrasse mais facilidades talvez lhes subisse a clientela.

Acho que a minha melhor hipótese é o comboio da ponte, que é gratuito para as bicicletas e a restrição da hora de ponta não me afecta porque vou contra-corrente. Só que o problema é: como vou apanhar esse comboio?… É um grande e desnecessário desvio…

Preciso mesmo de uma dobrável to dodge all this stupid obsolete directives

Advertisements

September 15, 2006

“Copyriot 2 – Gente sem Patente Contra-Ataca”

Posted in eventos & Cia, movimentos at 5:09 pm by Ana

Recebi hoje um e-mail da “Gente sem Patente” a divulgar o seu segundo Festival, o “Copyriot 2 – Gente sem Patente Contra-Ataca” de 5 a 7 de Outubro, no Porto.
O seu manifesto:

«Os direitos de propriedade intelectual precisam de ver os seus estatutos
redifinidos, à luz da constante revolução tecnológica e das reais
necessidades e direitos dos seres humanos e das sociedades. Porque, tão
ou mais importante do que adaptar a realidade, quer legal quer
empresarial, às potencialidades das novas tecnologias é não esquecer e
não deixar esquecer que cada nova criação ou descoberta é fruto de
milhares de anos de saberes comuns partilhados. Essa base é social e não
reconhecemos o direito a que seja privatizada.

Nesse sentido, continuamos a publicitar ao máximo o nosso manifesto (que
podem ver em http://copyriot.azine.org) e as alternativas ao “todos os
direitos reservados”.»

O programa do festival, que inclui cinema, teatro, debates e conversas, concertos, comes & bebes, videos e sessões de instalação e experimentação de Linux, está disponível no site do Copyriot.

Gostava de ir, pena que não há também em Lisboa. 😉

September 12, 2006

Bike commuters na imprensa portuguesa

Posted in eventos & Cia, featured on Flickr!, imprensa, mobilidade, sociedade at 5:12 pm by Ana

No dia 10 de Setembro saiu um artigo no Público sobre os utilizadores “non-recreational” de bicicletas em Portugal. Pode ser lido aqui:

P.S.: Mais um passeio de bicicleta. No site da FERTAGUS:

Passeio Pais e Filhos

«No âmbito da Semana da Mobilidade a Fertagus irá promover em conjunto com o Clube Ciclismo de Almada, um passeio de bicicleta no dia 16 de Setembro pelas 10h. Este passeio terá partida na estação do Pragal, com direcção ao Parque da Paz em Almada e regresso novamente à Estação do Pragal, onde será sorteada uma bicicleta de criança.

O passeio denominado “Passeio Pais e Filhos”, tem como propósito sensibilizar a faixa etária mais jovem para as questões de deslocações e do ambiente, tendo também como objectivo proporcionar uma manhã de saudável convívio entre as crianças e os pais, num animado passeio de bicicleta.»

September 11, 2006

A vida é uma montanha russa com algumas partes flat

Posted in eventos & Cia, movimentos, up close & personal at 10:28 pm by Ana

Por vezes a minha vida anda um aborrecimento, nada acontece, é uma seca. De repente, quando aparece uma oportunidade, um projecto, um evento, é tudo ao mesmo tempo.

A viagem, e agora o regresso com montes de cenas pra fazer. Coisas da casa, coisas do carro, coisas da escola, coisas de projectos pessoais e profissionais,… Logo na 6ªf sou recrutada para uma entrevista para um artigo sobre sofware livre numa revista. 🙂 O pessoal ainda pensa que eu sou uma geek. 😛 A propósito, dia 16 é o Software Freedom Day! Cá em Portugal, nomeadamente Lisboa, o programa das festas parece-me muito fraco… Falta aí umas LIPs (Linux Instalation Party) e cenas do género! Amanhã vem cá o Eng. Rui Milagre, do projecto EcoCasa, e na 6ªf há uma sessão de apresentação do Relatório de Progresso do programa EcoFamílias!

No dia 17 é o Dia Sem Carros e vamos pedalar para a Marginal!! 🙂 No dia 20 há uma conferência do ciclo “A Ciência e a Cidade”, na Gulbenkian. De 29/09 a 01/10 quero ir ao fim-de-semana aberto em Tamera!

E amanhã é um dia muuuuito importante para mim e para o Bruno… 🙂 Amanhã blogo mais. I hope! 😉

Lisboa e as bicicletas

Posted in eventos & Cia, featured on Flickr!, mobilidade, política nacional, sociedade, videos at 9:50 pm by Ana

Ontem lá fomos à Lisboa Bike Tour

À espera na ponte

Não posso dizer que tenha gostado muito. Achei fraco, mal organizado, desinteressante, e sem o ambiente de celebração que se esperava. Não sei o que terá pensado a maioria dos participantes, mas o entusiasmo que a iniciativa despertou foi imenso, as 4000 inscrições esgotaram em 9 dias e o meu post neste blog teve imensos hits (695 só desde o dia 4 de Setembro).
À noite vi a peça da RTP sobre o evento (eles disponibilizam os videos dos telejornais, mas há umas semanas mudaram o sistema e agora aquilo não funciona em Linux; bimbos do caraças…), mas o que se mostrou não traduz o que aconteceu para todos os participantes. Só o pessoal perto da linha de partida é que teve direito a música, animação, e sinal de partida, bem como “recepção” à chegada.

As bicicletas estavam mal montadas (as minhas, como muitas outras que vi, tinham as mudanças mal montadas, fazendo com que eu não visse nada quando as utilizava. Houve um senhor ao pé de nós a que caiu um pedal; teve sorte não ser num momento em que ele se estivesse a apoiar bem nele, podia ter-se magoado… Já para não falar na pintura riscada e nas mossas. Fartámo-nos de ver pessoal apeado com avarias ou defeitos nas bicicletas. Outros nem tiveram direito a uma (quando estávamos à espera da cena começar passaram grupos de pessoas a pé que tinham sido largadas pelos autocarros mais tarde e mais atrás na ponte e que já não encontraram bicicletas, tendo que ir andando pela ponte à procura de mais, “Lisboa Foot Tour”…). Não gosto daquele sistema de mudanças e tive dificuldades a usá-las, mas o que me lixou mais foi o selim, que era péssimo e tornou o “passeio” muito desconfortável…

Ao contrário do que anunciaram, não vimos equipas de auxílio técnico nenhumas nem antes nem durante o passeio. Vimos sim pessoas em bicicletas para assistência médica. Quem não encontrou bicicleta funcional lixou-se, e quem encontrou defeitos ou teve avarias na sua teve que se desenrascar sozinho, sem ferramentas nem nada. Se todos pagaram o mesmo e se chegaram lá até à hora estipulada, todos teriam direito a uma bicicleta em condições, ou assistência para rectificar as faltas e corrigir os problemas. Isso não aconteceu. Com patrocinadores de tão alto gabarito esperava-se mais.

A mochila que eles ofereceram também era uma chinesice qualquer. A minha tinha defeitos (faltavam presilhas), a do Bruno partiu-se quando ele puxou uma presilha.

Tirei meia-dúzia de fotos (ver aqui) e uns videos (brevemente disponíveis aqui). O Bruno lembrou-se e levou de casa uns papéis de “activismo político” que colocou no lugar das bandeirinhas dos patrocinadores. 😉

Alerta pol�tico

Acho que ninguém reparou, além de um casal que se aproximou pra ler a nos apoiou. A maior parte das pessoas ali nem em lazer costuma andar de bicicleta, concerteza, pois nem sabem circular como deve ser…
O passeio em si não foi o que eu esperava. O piso era fixe e a dificuldade do percurso foi canja (fiquei abismada quando vi pessoas na TV a queixarem-se que aquilo tinha sido “puxado”, além de ouvir os lamentos de terceiros ao longo do passeio, e pessoas a levar a bicicleta pela mão, diz muito acerca da forma física dos portugueses…). Mas a vista da ponte não era nada de especial, é mais bonita a do lado Sul do rio, a do lado Norte é feia. Então a parte já em terra, em que andámos ali às voltinhas até chegar ao Parque das Nações foi a pior. Paisagem seca, árida, cheia de lixo, prédios feios, alcatrão.

Depois chegamos ao Parque das Nações, outrora um espaço privilegiado de Lisboa, agora cada vez mais abandonado e progressivamente menos pedonal, menos silencioso, respirável e espaçoso, visto abrirem mais vias ao trânsito a cada dia. Daqui a nada é mais outro espaço típico de Lisboa, em que só se ouve, respira e vê carros por todo o lado, a circular e estacionados selvaticamente por todo o lado. No entanto, não se vêm autocarros nem outro transporte público a circular pelas vias agora abertas ao trânsito automóvel… Um eléctrico/metro de superfície (“tram”) era fixe…

Smart estacionado

[Fixe com um Smart. 🙂 ]

Carro estacionado

[Doesn’t quite work for this one, tough. E bimbos destes há praí aos pontapés…]

Este evento deveria ter sido aberto a mais gente, e para cada um levar a sua bicicleta própria. E devia ter começado do outro lado da ponte, para a podermos (todos) percorrer integralmente. Devia ser manifestação de uma preocupação e de uma tendência mais séria na direcção da promoção da bicicleta como meio de transporte privilegiado e instrumento de lazer universal. Mas não, foi apenas areia para os olhos, umas migalhas. O facto de Lisboa não aparecer na lista das cidades europeias que participam na Semana Europeia da Mobilidade e/ou no Dia Europeu Sem Carros confirma o desinteresse (embora baste tentar circular por Lisboa de outra forma que não dentro de um automóvel, nomeadamente a pé, de bicicleta ou com uma cadeira de rodas/carrinho de bebé/outro-qualquer-extra-com-rodas para sentir na pele a negligência).

Oeiras volta a participar em 2006. O programa tem algumas coisas “palpáveis” interessantes. Para além de podermos passear pela Marginal Sem Carros no dia 17 de manhã (não quero faltar!!), há umas iniciativas interessantes com a CP relativamente ao transporte das bicicletas nos comboios e à eliminição de barreiras arquitectónicas. Espreitem o programa aqui.

Também o GEOTA e a FPCUB organizam passeios neste dia.

P.S.: No Parque das Nações reparámos numa espécie de quiosque de internet… O Raspanêt, permite navegar na rua.

Quiosque Raspanêt - frente

Só achámos estranho não estar nada identificado nem bem assinalado para a função que desempenha, e o facto de não funcionar com moedas. Temos que ir comprar um papel com o código de acesso a um sítio que não pareceu estar indicado em lado nenhum… A nós pareceu-nos uma cena um bocado imbecil… Já estou a imaginar a utilidade que aquilo tem para os turistas (sim, porque um não-turista não vai para o meio da rua, sujeito ao clima e sem se poder sentar, ver os mails ou conversar no messenger…) … Enfim.

August 26, 2006

Um novo mundo desponta

Posted in ambiente, eventos & Cia, mobilidade, videos at 10:21 pm by Ana

Hoje fui dar a uns videos de uns carros “alternativos” que já referi aqui antes.

Adorei ver este sobre o Carver One, no Top Gear, um programa da BBC. Quando chegar aos 18000 $ fico verdadeiramente interessada! 😀 Outro video aqui.

Encontrei também um video do Tango, aqui, um do TESLA, aqui, e um do PIVO, da Nissan, aqui.

Tenho adicionado este tipo de videos à minha lista de favoritos no YouTube. Tenho lá também um da SUMO e um do Air Car. Enjoy! 🙂

A propósito de veículos alternativos e novas tendências, chamo a atenção para dois eventos muito interessantes [via Treehugger e Inhabitat]. O primeiro é o Chicago Eco-transportation Show, que teve lugar no dia 15 de Agosto em Chicago, EUA:

«$3.45 for a gallon of gas got you down? Chicago’s first Twike, electric and biodiesel cars, cargo bikes and other fuel-efficient and low-pollution options for commuters will be on display. View the vehicles; talk to the owners. Learn what’s really involved with owning and driving one of these greener modes of transportation. After reviewing all the options, network and socialize with others interested in sustainability/environmental issues at Chicago Green Drinks.»

Têm um link para um artigo sobre uma mulher que usa um Twike como o seu meio de transporte. Só há ainda 5 pessoas nos EUA donas de um Twike.

Twike

Por cá, a propósito da Semana Europeia da Mobilidade, temos em Faro a Exposição Energias Renováveis – Mobilidade Sustentável, de 16 a 22 de Setembro, e o Rallye do Algarve de Veículos Amigos do Ambiente (Algarve Green Vehicle Challenge 2006) no dia 22 – Dia Europeu Sem Carros. Gostava de lá ir e fazer a devida cobertura “bloguística” mas acho que não vai dar… 😦

Poster

Soube disto pelo Fórum Nova Energia, onde se discutem combustíveis alternativos aos fósseis, como o biodiesel e o bioetanol.

Nova Energia

Por sua vez soube deste Fórum através do Luís Oliveira, um membro de um outro novo Fórum online, o D-Eficiente, onde me registei depois de ver no telejornal uma peça sobre ele e o seu “fundador”, o Pedro Monteiro.D-Eficiente

Achei que era uma maneira de aprofundar o meu interesse na temática da acessibilidade e justiça social no que concerne às pessoas com algum tipo de limitação física ou cognitiva mais significativa. Depois de tomar contacto com este fórum tive acesso a muitos links sobre uma série de coisas sobre e para os deficientes. Estou a ficar mais educated neste tema. 🙂

August 15, 2006

Casas de palha são seguras face a risco de incêndio

Posted in eco-techie-habitat, educação & formação, eventos & Cia at 11:20 am by Ana

Lembram-se de eu falar de casas de palha? Pois bem, agora a construção em palha passou num teste de incêndio. 🙂

Foi criada recentemente uma mailing-list sobre este tema, a strawbale, e cujas mensagens podem ser lidas no arquivo, inclusive a do anúncio do teste de incêndio.

O treehugger sugeriu também um livro sobre construção em terra e palha, o Buildings of Earth and Straw: Structural Design for Rammed Earth and Straw Bale Architecture, by Bruce King.

De 23 de Setembro a 1 de Outubro deste ano decorrerá a International Straw Bale Building Conference, em Ontário no Canadá, organizada pela Ontario Straw Bale Buiding Coalition. Ainda não há ninguém de Portugal. 😛 Na agenda deste evento há três áreas: dono-construtor, profissionais do design/construção, ‘networking’ e educação.

Parece que há também um curso de certificação em construção sustentável, nomeadamente em palha, ministrado na Universidade de Fleming, em Haliburton, Ontário (ver álbum de fotos aqui).

Sustainable Building Design and Construction class

P.S.: Em vez de cereais também se pode usar Cannabis (um material bastante polivalente, sabiam? :-)).

July 21, 2006

O cientista/mágico

Posted in ciência, eventos & Cia, imprensa at 8:37 pm by Ana

Na próxima 2ªf, dia 24 de Julho, às 15h, o Professor Clint Sprott vai fazer uma apresentação do seu espectáculo “Wonders of Physics” na Universidade de Aveiro. Este professor de Física na Universidade de Wisconsin (EUA), especialista em dinâmica não linear, faz espectáculos – que parecem de ilusionismo – usando experiências científicas que visam suscitar interesse pela Física por parte do público.

Deve ser muito giro. Numa altura em que as pessoas fogem das ciências exactas era bom ter mais gente a fazer isto! 🙂

July 5, 2006

Lisboa Bike Tour!

Posted in eventos & Cia at 4:21 pm by Ana

Lisboa Bike Tour

Imperdível! 😀

Dia 10 de Setembro de 2006, travessia da Ponte Vasco da Gama, em Lisboa, em bicicleta! Por 50 € de inscrição temos direito ao passeio e a ganhar uma t-shirt, uma mochila, uma medalha e um diploma, brindes promocionais, e ainda um capacete e uma bicicleta com os quais fazemos o passeio!

Mais info no site lisboabiketour. Amanhã lá estarei nos CTT a inscrever-me! Farei parte dos 4000 sortudos! 🙂

June 19, 2006

Tertúlia Massa Crítica – 24 de Junho, Lisboa

Posted in eventos & Cia, mobilidade at 10:02 pm by Ana

Passo a divulgar. Já imprimi uns quantos e amanhã distribuo-os pela FCUL! Divulguem vocês também! 😉

Press Release – panfleto, frente – panfleto, verso

Ver anúncio no site da Cores do Globo.

Panfleto
————————

Convite

Tertúlia Massa Crítica

24 de Junho

……………………………………………………………………………………………………….

Numa altura em que o preço do petróleo atinge níveis históricos e em que os espaços urbanos são cada vez mais dominados por grandes vias rodoviárias e locais de estacionamento de automóveis, é urgente reflectir sobre formas de mobilidade alternativas, simultaneamente preservadoras do meio ambiente e da qualidade de vida dos moradores da cidade. É por estas razões que a Cores do Globo – Associação para a Promoção do Comércio Justo convida participantes do movimento Massa Crítica para uma tertúlia no Sábado, dia 24 de Junho. Será apresentado o movimento e debatida a viabilidade da utilização da bicicleta e de outros meios de transporte não motorizados em Lisboa. Será também exibido o filme Still We Ride. Esta tertúlia terá lugar no colorido espaço dos Crew-Hassan, na Rua dePortas de Sto. Antão, mesmo ao pé do Coliseu…

……………………………………………………………………………………………………….

Programa

17h30 – O que é a Massa Crítica?

o Apresentação do Movimento Massa Crítica

o Sessão de Perguntas

18h15 – É possível usar a bicicleta em Lisboa?

o Apresentação de Percursos Diários

o Alterações do Código da Estrada

o Apresentação do Trajecto Farol

o Como encorajar o uso da Bicicleta?

o Sessão de Perguntas e Debate

20h – Jantar Vegetariano

21h – Filme

o Still We Ride (50 min.)

Um filme que conta como em mais de 200 cidades do mundo, a Massa Critica tornou-se num ritual na última sexta-feira do mês.

http://www.tedwhitegreenlight.com/cm.htm

o Debate

Haverá também uma banca de produtos de Comércio Justo.

……………………………………………………………………………………………………….

Local

Crew Hassan CRL

Rua das Portas de Santo Antão, nº 159, 1º andar

Lisboa – Restauradores, junto ao Coliseu

Por um Mundo mais justo…

http://www.coresdoglobo.org http://www.massacriticapt.net http://www.crewhassan.org

————-

Next page